Pular para o conteúdo principal

Discurso da revelação do poeta


Meu avô sempre foi um desses avôs exemplares. Quando criança, eu adorava ir pra casa dele e ficar jogando baralho por horas e horas. Foi ele que me ensinou a jogar Escopa, até hoje um dos meus jogos de cartas prediletos. Era sempre assim, de noite íamos pra cama dele, enquanto minha vó assistia televisão na sala, e jogávamos Escopa, ou Memória, ao som do futebol no rádio. Meu vô é americano, mas sempre apoiou os netos na torcida pelo galo. Depois do final de qualquer jogo do atlético, meu primo sempre ligava pro meu avô, e lembro de ouvir atentamente ao debate sobre o jogo que tinha acabado de acontecer. Talvez isso explique a minha paixão atual por futebol...

Mas dentre as muitas coisas boas da infância na casa do meu avô – como a coleção de tampinhas, o futebol de botão, a coleção de carrinhos e a pelada com os primos no quintal – a que mais se destacava era a preparação pro Natal. Era sem dúvida a época mais empolgante da minha infância, já que eu auxiliava meus avós com todos os preparativos. Com a minha avó eu decorava a árvore e com meu avô eu montava o presépio – um presépio lindo e enorme, cuja construção sempre rendia bons papos acompanhados de enormes aprendizados de todos os tipos. Mas o que não dá mesmo pra esquecer é do carinho com o qual ele sempre tratou seus filhos e netos. Ainda me encho de alegria ao lembrar da sua recepção sempre amorosa quando eu chegava em sua casa, com um beijo na testa e um sonoro “ôôô netinha querida do vô”. Houve épocas em que eu tinha, inclusive, o título de neta predileta – agora o divido com outras duas lindezas.


Enfim, no meio dessa infância ótima passada em grande parte em companhia do meu avô, sempre ouvia dizer que ele era poeta. Pra mim ele era simplesmente meu avô e, de todo jeito, eu sempre fui mais de prosa do que de poesia. Já depois dos 18 anos, no entanto, uma curiosidade pela obra dele coincidiu com o lançamento de sua poesia reunida “Homem ao Termo”. Abri então o meu exemplar e comecei a entender porque é que sempre elogiavam tanto meu avô. Li de cabo a rabo e fiquei totalmente impressionada com a qualidade de sua poesia – não porque eu entendesse alguma coisa do assunto, mas justamente porque eu nunca tinha me interessado por poesia e mesmo assim a sua conseguiu me atingir com sua crítica finíssima, com sua ironia mais do que sofisticada, e com sua habilidade fora do normal com as palavras. Foi aí que redescobri meu avô como mais do que um avô sensacional, mas como um dos mais reconhecidos poetas de vanguarda do país, esse Affonso Ávila sobre o qual todo mundo falava e que agora eu conseguia entender o porquê.

Agora esse super avô e super poeta está no hospital e infelizmente a distância me impede de ir visitá-lo, mas queria deixar aqui o meu desejo de rápidas melhoras e junto a isso o mais sincero agradecimento por todo o seu amor e por todos seus ensinamentos e minha profunda admiração por sua inteligência e sua obra. Afinal de contas, eu não poderia jamais escrever um discurso da difamação do poeta. Definitivamente não desse.

Comentários

  1. Nossa, Nat, que texto lindo e sensível. Encheu meus olhos de lágrima e meu coração de conforto poucas horas depois de deixar o hospital e ficar com o poeta/pai/avô e agora bisavô, veja você, da mais nova Laís, a de Oliveira Todaro. SAUDADES!!!!!!!!!!!!!! Tia Inha

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A feminização do desequilíbrio - ou por que homens não fazem terapia?

Começo dizendo que sei que, apesar de não ser um número expressivo, há homens que fazem alguma espécie de terapia, mas meu ponto com esse texto é que a proporção de mulheres que buscam essa ajuda para lidar com suas questões psicológicas e emocionais é absurdamente maior. Vejo com frequência homens em sofrimento muito resistentes a entrar em algum tipo de tratamento terapêutico, como se eles fossem bons demais pra isso, como se não precisassem de ajuda em nada, como se isso fosse coisa de gente doida, ou pior, como se fosse "coisa de mulher". 
Fico pensando que essa idéia culturalmente enraizada da mulher histérica, emocionalmente desequilibrada, em contraste com a do homem forte e independente contribui muito pra essa resistência masculina, mesmo nos meios mais "descolados" e pretensamente desconstruídos. E aí fico pensando o impacto que essa ausência de investimento em auto-conhecimento e auto-transformação por parte dos homens tem na nossa sociedade: como é que …

Vestir-se de “mulher” no carnaval: transgressão ou agressão?

Carnaval é bom pra pular, mas também é bom pra pensar. E a reflexão que faço esse ano, como feminista que sou, tem a ver com o tradicional costume dos homens de se vestir de “mulher” (como se o conceito pudesse ser tratado no singular) nessa época do ano. O que pensam esses homens? O que os motiva? De que “mulher” eles se vestem?

Alguns argumentarão que vestir-se de mulher no Carnaval tem a ver com a inversão generalizada típica da festa. Homens machistas e homofóbicos que normalmente repudiam o feminino por medo de serem considerado homossexuais, nessa época do ano, têm a permissão de se travestir. Mas o que é que se inverte no fim das contas? Os homens não passam a ser as maiores vítimas de assédios e abusos sexuais, nem de violência doméstica, nem têm suas questões invisibilizadas, como acontece diariamente com as mulheres. As mulheres, por sua vez, não ganham o direito de andar com (ou sem) qualquer roupa sem ser incomodadas, nem de tirar a camisa por causa do calor, nem de circul…

Sheik volta atrás, Nanda continua depilada

Depois da polêmica que Nanda Costa causou por posar nua “sem estar depilada”, estando, no entanto, indubitavelmente depilada, mais um banho de machismo, homofobia e conservadorismo: o jogador Emerson Sheik, após o corajoso (infelizmente esse adjetivo ainda faz sentido nesse contexto) selinho no amigo, se “desculpa” por ter “ofendido os corinthianos” e termina com uma piadinha homofóbica, pra que ninguém duvide de sua macheza.
A declaração foi precisamente esta: "Lamento se ofendi a torcida do Corinthians, não foi a minha intenção. Foi só uma brincadeira com um amigo, até porque eu não sou são-paulino" (leia a notícia aqui).

Esses dois casos me chamaram particularmente a atenção por conseguirem expor o nível completamente absurdo (para não dizer surreal) de machismo, homofobia e intolerância da nossa sociedade. No primeiro, temos uma mulher que, mesmo estando depilada, causa polêmica por não estar. Sintoma de uma sociedade que impõe tantos procedimentos estéticos sobre as mu…