Pular para o conteúdo principal

Parabéns no dia das mulheres?



Desde criança tenho sentimentos confusos com relação ao 8 de março, o dia internacional da mulher. Eu já sabia desde cedo que o 8 de março era uma referência aos protestos de mulheres por melhores condições de vida e trabalho, mas mesmo assim algo me incomodava em receber, nesse dia, parabéns e rosas. Eu, que sempre tive uma veia feminista, mas que até recentemente não havia me ocupado efetivamente com a questão de gênero, já quando criança me via às voltas com a seguinte questão: por que é que estão me dando parabéns?

A pergunta não é trivial e hoje sei que o meu incômodo também não era. A grande maioria dos “parabéns” que recebi até hoje no dia 8 de março foram porque, por ser mulher, eu seria automaticamente meiga, graciosa, delicada, feminina, perfumada, bela, esposa e mãe. Pelo menos é isso que dizem todos os cartões de dia da mulher. Cartões esses que, não só não me agradam, como me ofendem. Isso porque eu recuso esse conceito de mulher enquanto bibelô, enquanto adorno, enquanto objeto da apreciação masculina ou enquanto máquina de reprodução. Recuso consequentemente esse tipo de parabéns, que insiste em dizer que há um único modelo (ou um modelo certo) de mulher, que insiste em dizer que devemos ser passivas e bonitas, que insiste no discurso de que uma mulher não “feminina” é menos mulher, que uma mulher que se relaciona com outras mulheres é menos mulher, que uma mulher que decide não ter filhos ou não se casar é menos mulher, que uma mulher fora dos padrões estéticos é menos mulher, menos digna de respeito e, se duvidar, até merecedora de um estupro, pra citar Rafinha Bastos.

Já prevejo o coro dos muito bem-intencionados homens que me dão esse tipo de parabéns: “deixa de ser feminista mal-amada, é só um parabéns, um gesto bonito, uma homenagem”. E aí respondo que é esse tipo de homenagem que alimenta a lógica de que mulher é propriedade, que pode apanhar e ser estuprada e, nesse tipo de homenagem, estou muito pouco interessada. Se você é realmente bem-intencionado e quer nos prestar uma homenagem, há muitas formas de fazê-lo: comece por parar de utilizar a palavra “feminista” como um xingamento e então pare de nos ver como um objeto sexual, pare de rir de piadas que nos ridicularizam e humilham, pare de achar que somos geneticamente mais frágeis, menos racionais ou qualquer outra bobagem do gênero, pare de julgar nossa vida sexual/amorosa, pare de achar que, se a mulher apanhou ou foi estuprada, a culpa é de seu comportamento ou de sua roupa. Enfim, enxergue o seu machismo e se comprometa a acabar com ele.

Agora, é claro que não recuso todas as formas de parabéns no dia da mulher. A pergunta sempre é: Por que estou sendo parabenizada? Se estou sendo parabenizada por minha resistência diária, por ter que aguentar assédio o tempo todo nas ruas, por lutar constantemente contra uma cultura que me diminui, que me objetifica e que quer me controlar, aceito de muito bom grado. E faço a você um convite: não nos dê apenas parabéns no dia da mulher, mas se junte a nós nos protestos do Dia Internacional de Luta das Mulheres e na nossa luta diária por igualdade e por respeito, garanto que esse gesto significa muito mais do que uma rosa.

Comentários

  1. Muito bom texto, Nat. Compartilho muito do que você expressa. Que os parabéns se concretizem na forma de respeito e deixem de ser uma reificação do machismo nosso de cada dia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A feminização do desequilíbrio - ou por que homens não fazem terapia?

Começo dizendo que sei que, apesar de não ser um número expressivo, há homens que fazem alguma espécie de terapia, mas meu ponto com esse texto é que a proporção de mulheres que buscam essa ajuda para lidar com suas questões psicológicas e emocionais é absurdamente maior. Vejo com frequência homens em sofrimento muito resistentes a entrar em algum tipo de tratamento terapêutico, como se eles fossem bons demais pra isso, como se não precisassem de ajuda em nada, como se isso fosse coisa de gente doida, ou pior, como se fosse "coisa de mulher". 
Fico pensando que essa idéia culturalmente enraizada da mulher histérica, emocionalmente desequilibrada, em contraste com a do homem forte e independente contribui muito pra essa resistência masculina, mesmo nos meios mais "descolados" e pretensamente desconstruídos. E aí fico pensando o impacto que essa ausência de investimento em auto-conhecimento e auto-transformação por parte dos homens tem na nossa sociedade: como é que …

Vestir-se de “mulher” no carnaval: transgressão ou agressão?

Carnaval é bom pra pular, mas também é bom pra pensar. E a reflexão que faço esse ano, como feminista que sou, tem a ver com o tradicional costume dos homens de se vestir de “mulher” (como se o conceito pudesse ser tratado no singular) nessa época do ano. O que pensam esses homens? O que os motiva? De que “mulher” eles se vestem?

Alguns argumentarão que vestir-se de mulher no Carnaval tem a ver com a inversão generalizada típica da festa. Homens machistas e homofóbicos que normalmente repudiam o feminino por medo de serem considerado homossexuais, nessa época do ano, têm a permissão de se travestir. Mas o que é que se inverte no fim das contas? Os homens não passam a ser as maiores vítimas de assédios e abusos sexuais, nem de violência doméstica, nem têm suas questões invisibilizadas, como acontece diariamente com as mulheres. As mulheres, por sua vez, não ganham o direito de andar com (ou sem) qualquer roupa sem ser incomodadas, nem de tirar a camisa por causa do calor, nem de circul…

Sheik volta atrás, Nanda continua depilada

Depois da polêmica que Nanda Costa causou por posar nua “sem estar depilada”, estando, no entanto, indubitavelmente depilada, mais um banho de machismo, homofobia e conservadorismo: o jogador Emerson Sheik, após o corajoso (infelizmente esse adjetivo ainda faz sentido nesse contexto) selinho no amigo, se “desculpa” por ter “ofendido os corinthianos” e termina com uma piadinha homofóbica, pra que ninguém duvide de sua macheza.
A declaração foi precisamente esta: "Lamento se ofendi a torcida do Corinthians, não foi a minha intenção. Foi só uma brincadeira com um amigo, até porque eu não sou são-paulino" (leia a notícia aqui).

Esses dois casos me chamaram particularmente a atenção por conseguirem expor o nível completamente absurdo (para não dizer surreal) de machismo, homofobia e intolerância da nossa sociedade. No primeiro, temos uma mulher que, mesmo estando depilada, causa polêmica por não estar. Sintoma de uma sociedade que impõe tantos procedimentos estéticos sobre as mu…