Pular para o conteúdo principal

Quem ocupa a câmara? Sobre lutas efetivamente horizontais.


Recentemente, a Ana Flávia Magalhães Pinto escreveu um texto crítico à Marcha das Vadias de Brasília. Dizia que não havia espaço real para a discussão da negritude dentro da marcha. Eu que, apesar de branca e de classe média, me engajo na luta contra o racismo desde que entrei na faculdade, e que me engajei também muito na marcha das vadias de Belo Horizonte, fiquei bastante incomodada. Meu primeiro pensamento foi: mas... nós não somos racistas! Alguns segundos depois percebi o quão enganada eu estava. Me lembrei que “Não somos racistas” é o nome de um livro de Ali Kamel defendendo a não existência do racismo no Brasil (e, portanto, a não necessidade de políticas que promovam a igualdade racial), posição contra a qual eu sempre lutei. Ora bolas, é claro que somos racistas, somos muito racistas. E admitir isso é o primeiro passo pra mudar.

Alguns dias depois me vejo na posição da Ana Flávia: Na ocupação da Câmara Municipal de Belo Horizonte a predominância da fala masculina assusta. Ou, de uma outra perspectiva, nem chama a atenção, de tão acostumados que estamos a ver o mundo da política sempre dominado por homens. Na assembléia que decidiria @s delegad@s para a reunião com o prefeito Márcio Lacerda (na qual infelizmente não pude estar presente, falo portanto com base em relatos de amigas), finalmente a questão foi levantada: “paridade de gênero”, gritou alguém. Virou pauta e votação. Por maioria quase esmagadora a paridade perdeu, no entanto. Os velhos argumentos meritocráticos (como se fosse possível falar de mérito em uma sociedade tão desigual), os velhos gritos de “não é hora para discutir gênero” (esqueci de ler a cartilha das prioridades da esquerda, pensei inocentemente que o combate a todas as opressões era urgente), as velhas advertências sobre o perigo de oprimir os homens.

Enquanto ouvia os relatos, me vi novamente nas tantas discussões nas quais me engajei sobre cotas raciais, ouvindo os mesmos argumentos que na época me davam arrepios, mas com uma diferença: dessa vez, @ negr@ era eu. Eu, que só muito recentemente me inseri efetivamente na discussão feminista e de gênero (não, não basta ser mulher para ser feminista), entendi dessa vez emocionalmente o que falava Ana Flávia em seu texto: o privilégio é invisível para quem o tem. Eu, vadia, branca, de classe-média não conseguia ver o racismo dentro de um movimento tão bonito como é a Marcha das Vadias (que é bonito mesmo, só precisa de mais discussão, mais diversidade, mais solidariedade com outras lutas), assim como os amigos homens, brancos e heterossexuais não conseguem ver o machismo em um movimento tão bonito como é a ocupação da Câmara. E é bonito mesmo, só precisa de mais discussão, mais diversidade, mais solidariedade com outras lutas.

Quando assisti à reunião com o prefeito pelo pós-tv e vi todos aqueles homens brancos engravatados, cumprindo suas funções esperadas de defender os interesses do dinheiro e fazer política (porque lugar de mulher é na cozinha), ao lado d@s delegad@s da ocupação, me senti aliviada por ver uma significativa presença de mulheres e pensei: “mas também, não podia ser diferente em um movimento que se pretende tão horizontal!”. Mal sabia eu a resistência que essa mesa paritária havia encontrado (algum tempo de discussão e uma segunda votação conseguiram emplacá-la). Agora fico pensando o que vai acontecer quando alguém propuser uma paridade racial também. Será que nós, tão comprometidos com a justiça e a igualdade, vamos conseguir representar a diversidade da nossa sociedade nessas comissões ou teremos que passar por toda a discussão das ações afirmativas mais uma vez? Resta a dúvida. E o convite para enxergarmos nossos privilégios e nos despirmos deles.

Para terminar, deixo o poema de Cláudia Mayorga sobre o ocorrido. Que estas palavras nos ajudem a construir uma luta efetivamente horizontal:

HORIZONTALIZAR

de-repente-tudo-começa-a-querer-voltar-pro-lugar.
militantes-barbudos-não-nos-querem-deixar-falar.
dizem-que-a-paridade-de-gênero-não-é-causa-pra-assembléia-se-importar.
dizem-mais-uma-vez-que-a-luta-pela-igualdade-de-gênero-vai-fragmentar.
dizem-mais-uma-vez-que-a-igualdade-de-gênero-deve-esperar.

lá-no-fundo-repetem-que-eu-não-sei-falar.
que-eu-não-sei-me-comportar.
que-eu-não-posso-representar.
que-eu-não-tenho-história-pra-contar.

dizem-mais-uma-vez-que-eu-devo-me-calar.
mas-ninguém-vai-me-calar.
mas-ninguém-vai-te-calar.
mas-ninguém-vai-nos-calar.

Comentários

  1. Eu votei pela paridade de generos, mas acho que algumas observações justas devem ser feitas aqui:

    1. A votação não foi "paridade x não paridade" e sim "votação sobre paridade agora x votação sobre paridade depois de da primeira seleção dos delegados", o que foi alegado era que talvez nem seria necessário que decidisse a paridade em votação, pois provavelmente teria no minimo 5 mulheres dada a maneira q a ocupação estava sendo construída. E assim aconteceu, mesmo sem votar pela paridade, foi bem dividido o genero dos delegados.

    2. Não foi uma maioria esmagadora, a votação teve que ser feita umas 3 vezes pra chegar numa conclusão de qual opção havia ganhado.

    3. A maioria das pessoas que compõem os movimentos, partidos e que estavam no cotidiano da ocupação (ou seja, grande parte da esquerda organizada) votou pela paridade, quem votou "contra" foi mais o pessoal que chega na hora da assembleia mesmo e está num processo de politização mais recente, o que não tira a importancia deles no movimento. O que quero dizer que não foi um equívoco da "esquerda" como voce colocou.

    4. Os argumentos usados para defender a paridade não foram legais, ficaram com um discurso pronto de que era só perceber a relacao de generos das comissões da ocupação que ficaria claro como era algo sexista (mulheres na limpeza e alimentação e etc). No entanto isso não é verdade, de uma maneira impressionante há paridade em quase todas as comissões...acho inclusive que na alimentação tem mais homens...

    5. Duas situações me incomodaram muito naquela assembleia, primeiro o ataque e o constrangimento à garota que havia defendido que a paridade fosse decidida depois. Segundo, alguns momentos depois da votação houve a acusação de que um rapaz havia assediado uma mulher e que esse rapaz deveria ser expulso da ocupação pois não é aceitável que aquele se tornasse um espaço de opressão das mulheres. Houve toda uma mobilização para procurar o tal "rapaz", pelas indicações ele foi confundido por uma criança de uns 12 anos que está lá na ocupação. Fiquei chocado com a situação e perguntei para quem havia presenciado o "assédio" se o "rapaz" era da mesma faixa etária que aquela criança, e me falaram que talvez fosse um pouco mais novo e que ele havia chegado numa roda de mulheres abraçando uma delas, que logo empurrou o menino e foi em direção ao microfone fazer a acusação. Portanto, uma criança com por volta de 11, 12 anos sendo acusada publicamente de assédio sexual por uma ação caracterizada como um abraço? O quero dizer com tudo isso é que não basta que as coisas sejam colocadas e reivindicadas, mas sim que isso seja feito da maneira certa.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A feminização do desequilíbrio - ou por que homens não fazem terapia?

Começo dizendo que sei que, apesar de não ser um número expressivo, há homens que fazem alguma espécie de terapia, mas meu ponto com esse texto é que a proporção de mulheres que buscam essa ajuda para lidar com suas questões psicológicas e emocionais é absurdamente maior. Vejo com frequência homens em sofrimento muito resistentes a entrar em algum tipo de tratamento terapêutico, como se eles fossem bons demais pra isso, como se não precisassem de ajuda em nada, como se isso fosse coisa de gente doida, ou pior, como se fosse "coisa de mulher". 
Fico pensando que essa idéia culturalmente enraizada da mulher histérica, emocionalmente desequilibrada, em contraste com a do homem forte e independente contribui muito pra essa resistência masculina, mesmo nos meios mais "descolados" e pretensamente desconstruídos. E aí fico pensando o impacto que essa ausência de investimento em auto-conhecimento e auto-transformação por parte dos homens tem na nossa sociedade: como é que …

Vestir-se de “mulher” no carnaval: transgressão ou agressão?

Carnaval é bom pra pular, mas também é bom pra pensar. E a reflexão que faço esse ano, como feminista que sou, tem a ver com o tradicional costume dos homens de se vestir de “mulher” (como se o conceito pudesse ser tratado no singular) nessa época do ano. O que pensam esses homens? O que os motiva? De que “mulher” eles se vestem?

Alguns argumentarão que vestir-se de mulher no Carnaval tem a ver com a inversão generalizada típica da festa. Homens machistas e homofóbicos que normalmente repudiam o feminino por medo de serem considerado homossexuais, nessa época do ano, têm a permissão de se travestir. Mas o que é que se inverte no fim das contas? Os homens não passam a ser as maiores vítimas de assédios e abusos sexuais, nem de violência doméstica, nem têm suas questões invisibilizadas, como acontece diariamente com as mulheres. As mulheres, por sua vez, não ganham o direito de andar com (ou sem) qualquer roupa sem ser incomodadas, nem de tirar a camisa por causa do calor, nem de circul…

Sheik volta atrás, Nanda continua depilada

Depois da polêmica que Nanda Costa causou por posar nua “sem estar depilada”, estando, no entanto, indubitavelmente depilada, mais um banho de machismo, homofobia e conservadorismo: o jogador Emerson Sheik, após o corajoso (infelizmente esse adjetivo ainda faz sentido nesse contexto) selinho no amigo, se “desculpa” por ter “ofendido os corinthianos” e termina com uma piadinha homofóbica, pra que ninguém duvide de sua macheza.
A declaração foi precisamente esta: "Lamento se ofendi a torcida do Corinthians, não foi a minha intenção. Foi só uma brincadeira com um amigo, até porque eu não sou são-paulino" (leia a notícia aqui).

Esses dois casos me chamaram particularmente a atenção por conseguirem expor o nível completamente absurdo (para não dizer surreal) de machismo, homofobia e intolerância da nossa sociedade. No primeiro, temos uma mulher que, mesmo estando depilada, causa polêmica por não estar. Sintoma de uma sociedade que impõe tantos procedimentos estéticos sobre as mu…