Pular para o conteúdo principal

Uma homenagem à minha avó

Sabe aquela vovó que fica em casa tricotando e fazendo bolo? A Nana, minha avó, nunca foi assim. Sempre foi uma avó ativa, antenada, de espírito jovem.
Desde criança sou encantada com ela. Adorava dormir em sua casa, passear com ela no feirashop, ir ao cinema, ao teatro e ao clube. E quanto mais eu crescia, mais eu a admirava. E pensava sempre: quando eu crescer, eu quero ser igual à Nana.
A Nana é mais jovem do que muito amigo meu, ela gosta de funk, de Ney Matogrosso, ela vai com frequencia ao cinema, e ainda bebe uma cervejinha diariamente. Mas junto com toda essa jovialidade que eu tanto gosto, ela traz também muita sabedoria, e é por isso que sempre ouço atentas às suas histórias, que terminam geralmente com um ditado popular. Acho que é por causa dela que eu peguei tanto gosto por tais ditados...
Como feminista que sou (e talvez ela tenha uma parcela de responsabilidade nisso), admiro muito sua força e independência. Admiro também sua abertura para lidar com o diferente e a ausência de preconceitos muito frequentes nas pessoas de sua geração.
Por tais motivos, e muitos outros que não conseguirei citar aqui, tenho minha avó como um grande exemplo e desejo que todas as mulheres cheguem à sua idade com a mesma autonomia, liberdade e vigor e que se dediquem às suas próprias vidas, como faz a Nana, que, já na terceira idade, voltou a ser pintora.

Hoje, no dia de seu aniversário, faço essa singela homenagem, para agradecer por todos os ensinamentos que ela me dá diariamente sem que tenha consciência disso. Desejo tê-la por perto por mais muitos e muitos anos, pois além de fazer o melhor arroz que já comi, a Nana é uma das avós mais incríveis que já tive notícia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A feminização do desequilíbrio - ou por que homens não fazem terapia?

Começo dizendo que sei que, apesar de não ser um número expressivo, há homens que fazem alguma espécie de terapia, mas meu ponto com esse texto é que a proporção de mulheres que buscam essa ajuda para lidar com suas questões psicológicas e emocionais é absurdamente maior. Vejo com frequência homens em sofrimento muito resistentes a entrar em algum tipo de tratamento terapêutico, como se eles fossem bons demais pra isso, como se não precisassem de ajuda em nada, como se isso fosse coisa de gente doida, ou pior, como se fosse "coisa de mulher". 
Fico pensando que essa idéia culturalmente enraizada da mulher histérica, emocionalmente desequilibrada, em contraste com a do homem forte e independente contribui muito pra essa resistência masculina, mesmo nos meios mais "descolados" e pretensamente desconstruídos. E aí fico pensando o impacto que essa ausência de investimento em auto-conhecimento e auto-transformação por parte dos homens tem na nossa sociedade: como é que …

Vestir-se de “mulher” no carnaval: transgressão ou agressão?

Carnaval é bom pra pular, mas também é bom pra pensar. E a reflexão que faço esse ano, como feminista que sou, tem a ver com o tradicional costume dos homens de se vestir de “mulher” (como se o conceito pudesse ser tratado no singular) nessa época do ano. O que pensam esses homens? O que os motiva? De que “mulher” eles se vestem?

Alguns argumentarão que vestir-se de mulher no Carnaval tem a ver com a inversão generalizada típica da festa. Homens machistas e homofóbicos que normalmente repudiam o feminino por medo de serem considerado homossexuais, nessa época do ano, têm a permissão de se travestir. Mas o que é que se inverte no fim das contas? Os homens não passam a ser as maiores vítimas de assédios e abusos sexuais, nem de violência doméstica, nem têm suas questões invisibilizadas, como acontece diariamente com as mulheres. As mulheres, por sua vez, não ganham o direito de andar com (ou sem) qualquer roupa sem ser incomodadas, nem de tirar a camisa por causa do calor, nem de circul…

Sheik volta atrás, Nanda continua depilada

Depois da polêmica que Nanda Costa causou por posar nua “sem estar depilada”, estando, no entanto, indubitavelmente depilada, mais um banho de machismo, homofobia e conservadorismo: o jogador Emerson Sheik, após o corajoso (infelizmente esse adjetivo ainda faz sentido nesse contexto) selinho no amigo, se “desculpa” por ter “ofendido os corinthianos” e termina com uma piadinha homofóbica, pra que ninguém duvide de sua macheza.
A declaração foi precisamente esta: "Lamento se ofendi a torcida do Corinthians, não foi a minha intenção. Foi só uma brincadeira com um amigo, até porque eu não sou são-paulino" (leia a notícia aqui).

Esses dois casos me chamaram particularmente a atenção por conseguirem expor o nível completamente absurdo (para não dizer surreal) de machismo, homofobia e intolerância da nossa sociedade. No primeiro, temos uma mulher que, mesmo estando depilada, causa polêmica por não estar. Sintoma de uma sociedade que impõe tantos procedimentos estéticos sobre as mu…