Pular para o conteúdo principal

O que queremos reduzir?

Esse é um guest post de mim mesma com 16 anos. Depois da triste aprovação da proposta de emenda constitucional para reduzir a maioridade penal pela Comissão de Constituição e Justiça, me lembrei desse texto que escrevi na adolescência para um jornal mural que eu e uns amigos inventamos. Considerando que o caminho para a efetiva aprovação da PEC ainda é longo, quis resgatar o texto para contribuir com o debate. Optei por não fazer alterações:


O que queremos reduzir?


Henry Thoreau, considerado pai do anarquismo, já nos atentou para o fato de que o Estado aprisiona o corpo dos transgressores por não conseguir parar seus pensamentos. Encher as penitenciárias de pessoas que são um incômodo para a sociedade, lembrando que a maioria dos presos é de classe baixa, nada mais é do que fechar os olhos para um grave problema. Encher as penitenciárias de incômodos em potencial, ou seja, reduzir a maioridade penal, é não só ignorar a crise que estamos vivendo como agravá-la. As péssimas condições das cadeias, somadas ao ócio improdutivo promovido por elas, jamais irão reintegrar alguém à sociedade, apenas deixam o ex-detento mais marginalizado do que era antes de cumprir a pena

Com essa pragmática e imediatista proposta de aprisionar mais cedo os adolescentes, estaremos super lotando as já super lotadas penitenciárias e, o que é pior, incentivando a continuação desse ciclo vicioso, que faz que com os presos saiam das cadeias mais preparados para cometer outros delitos. A educação de qualidade dentro das instituições de menores é uma das formas de evitar que os jovens, após estarem em liberdade, cometam novos crimes. É necessário ponderar que, em um ambiente no qual a vida do detento não tem o menor valor, ele aprenderá a desvalorizar também a vida das outras pessoas. Já em uma instituição onde o preso possa trabalhar ou estudar e tenha um tratamento digno, seus aprendizados serão totalmente diferentes. Não podemos achar que ficar confinado em uma prisão, tendo que abdicar de inúmeras coisas, mesmo que se trabalhe ou estude, não é punição suficiente. Ao desejar que um preso seja submetido a tratamentos e situações desumanas (como acontece muito freqüentemente), estamos automaticamente desejando que ele não se reintegre, portanto promovendo o que queremos combater. 

Além da redução da maioridade penal, surge outra discussão entre os brasileiros: a adoção da pena de morte. O contra argumento mais óbvio e incontestável é de que, com a instituição da pena de morte, muitos inocentes podem morrer. Em uma análise mais profunda, é possível perceber que esse é apenas um dos inúmeros problemas. Se o Estado condena o assassinato, ele não deveria cometer um. A justificativa de que tal ato se explica pelo bem que fará à sociedade é no mínimo estranha. Quem comete um crime uma vez não necessariamente cometerá outros. A atribuição do ato criminoso à natureza da pessoa que o comete é equivocada, a presença massiva da violência nas favelas evidencia que esse é um problema de ordem social e não de natureza humana. Ao matar um assassino para puni-lo, se está afirmando que uma pessoa tem mais direito à vida do que outra. O que define essa diferença de direitos? Considerando o país em que vivemos, inevitavelmente cairemos no critério da posição social, no qual a lei vale para os pobres e nunca para os ricos (que podem evitá-la com bons advogados ou com subornos). 

Para os que acham a pena de morte necessária, vale lembrar que o sistema capitalista se baseia na concentração de renda. Uma sociedade desigual como a nossa sempre produzirá mais marginais que, por não se sentirem cidadãos, continuarão cometendo crimes. Políticas de médio e longo prazo que promovam mudanças estruturais são mais sensatas do que matar cada novo criminoso.

Tais reflexões são muito importantes para definirmos que sociedade queremos, como vamos fazer para que ela alcance esse ideal e até que ponto somos contraditórios em nossos discursos. Está aberto o debate.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A feminização do desequilíbrio - ou por que homens não fazem terapia?

Começo dizendo que sei que, apesar de não ser um número expressivo, há homens que fazem alguma espécie de terapia, mas meu ponto com esse texto é que a proporção de mulheres que buscam essa ajuda para lidar com suas questões psicológicas e emocionais é absurdamente maior. Vejo com frequência homens em sofrimento muito resistentes a entrar em algum tipo de tratamento terapêutico, como se eles fossem bons demais pra isso, como se não precisassem de ajuda em nada, como se isso fosse coisa de gente doida, ou pior, como se fosse "coisa de mulher". 
Fico pensando que essa idéia culturalmente enraizada da mulher histérica, emocionalmente desequilibrada, em contraste com a do homem forte e independente contribui muito pra essa resistência masculina, mesmo nos meios mais "descolados" e pretensamente desconstruídos. E aí fico pensando o impacto que essa ausência de investimento em auto-conhecimento e auto-transformação por parte dos homens tem na nossa sociedade: como é que …

Vestir-se de “mulher” no carnaval: transgressão ou agressão?

Carnaval é bom pra pular, mas também é bom pra pensar. E a reflexão que faço esse ano, como feminista que sou, tem a ver com o tradicional costume dos homens de se vestir de “mulher” (como se o conceito pudesse ser tratado no singular) nessa época do ano. O que pensam esses homens? O que os motiva? De que “mulher” eles se vestem?

Alguns argumentarão que vestir-se de mulher no Carnaval tem a ver com a inversão generalizada típica da festa. Homens machistas e homofóbicos que normalmente repudiam o feminino por medo de serem considerado homossexuais, nessa época do ano, têm a permissão de se travestir. Mas o que é que se inverte no fim das contas? Os homens não passam a ser as maiores vítimas de assédios e abusos sexuais, nem de violência doméstica, nem têm suas questões invisibilizadas, como acontece diariamente com as mulheres. As mulheres, por sua vez, não ganham o direito de andar com (ou sem) qualquer roupa sem ser incomodadas, nem de tirar a camisa por causa do calor, nem de circul…

Sheik volta atrás, Nanda continua depilada

Depois da polêmica que Nanda Costa causou por posar nua “sem estar depilada”, estando, no entanto, indubitavelmente depilada, mais um banho de machismo, homofobia e conservadorismo: o jogador Emerson Sheik, após o corajoso (infelizmente esse adjetivo ainda faz sentido nesse contexto) selinho no amigo, se “desculpa” por ter “ofendido os corinthianos” e termina com uma piadinha homofóbica, pra que ninguém duvide de sua macheza.
A declaração foi precisamente esta: "Lamento se ofendi a torcida do Corinthians, não foi a minha intenção. Foi só uma brincadeira com um amigo, até porque eu não sou são-paulino" (leia a notícia aqui).

Esses dois casos me chamaram particularmente a atenção por conseguirem expor o nível completamente absurdo (para não dizer surreal) de machismo, homofobia e intolerância da nossa sociedade. No primeiro, temos uma mulher que, mesmo estando depilada, causa polêmica por não estar. Sintoma de uma sociedade que impõe tantos procedimentos estéticos sobre as mu…