Pular para o conteúdo principal

Da política ao auto-conhecimento - ou porque auto-cuidado não é alienação


 "Frei", do alemão, "livre". (Foto minha de uma placa em Berlim)

Este texto é um desabafo, uma terapia e uma forma de engajamento político ao mesmo tempo. Ele é fruto de uma angústia cuja razão demorei um tempinho pra entender. Pra lidar com esse sentimento estranho que eu não conseguia significar, resolvi seguir o conselho que sempre dou para as pessoas: depois de aceitar e sentir, procurei entender o que esse sentimento estava querendo me dizer. Nesse processo de auto-análise percebi que há muito tempo eu não escrevia no blog - coisa que amo - e consegui descobrir a razão: me afastei, por motivos que vou explicar ao longo desse texto, do ativismo político - na sua concepção clássica, ao menos - e como o blog sempre foi destinado à política, eu não tinha mais o que escrever no blog. Não que eu não tenha mais nada pra dizer, tenho muita coisa, mas por receio do julgamento externo, acabei me silenciando. Explico. 

Cresci em um meio intelectual, majoritariamente cético e de esquerda. Amigos, família, escola, faculdade, tudo sempre esteve inserido nesse mundo. De uns anos pra cá, o contato crescente com a umbanda e a astrologia me abriu outras perspectivas – que, pra mim, não são nada incompatíveis com as que eu tinha antes, mas que pra muita gente são. Digo que não são incompatíveis porque as motivações são as mesmas, os objetivos são os mesmos. Eu me engajei por muito tempo na política por que eu queria a transformação do que eu achava errado no mundo, ou seja, as violências, as desigualdades, o autoritarismo. Continuo acreditando na política como uma forma válida de buscar essas coisas (ainda que muito cansativa e frustrante em vários momentos), mas ao observar que a esquerda muitas vezes cai nas mesmas armadilhas da direita (do ódio, do ego, do desrespeito às visões divergentes), quis partir para a contribuição em uma empreitada um pouco maior: a cura das relações humanas. Percebi que discursos são só discursos se não conseguimos trazê-los para a prática, para as vivências do dia a dia.

Comecei a me perguntar porque era tão difícil trazer o discurso feminista do empoderamento para a minha vida. Houve um momento no qual eu tinha tanta consciência das violências que eu sofria por ser mulher e do tanto que minha auto-estima tinha sido destruída pela sociedade que era quase enlouquecedor não conseguir transformar meus padrões destrutivos, minhas relações de dependência afetiva, não conseguir não ser intimidada por um assédio na rua. Comecei a sentir uma necessidade grande de viver o empoderamento que eu pregava ao invés de ficar só no discurso (que já é um passo muito importante, mas é apenas um passo). E vendo a dificuldade que eu tinha de desconstruir o machismo na minha vida, comecei a entender também que é igualmente desafiador para um homem começar a incorporar o discurso feminista na sua prática diária, pois nenhuma mudança pessoal profunda acontece do dia pra noite e sem muito esforço. Minha mudança de nível de atuação foi e continua tendo motivações feministas, pois me interessa ver mulheres empoderadas e felizes e homens desconstruindo seus privilégios – e também felizes. Entendi que topar uma transformação pessoal profunda dos padrões pessoais (tanto de auto-sabotagem quanto de violência ao outro) não é tarefa nada fácil, mas hoje posso dizer que vale cada minuto. 

Conseguindo ver, a partir do meu processo terapêutico, minha auto-estima crescendo, minha coragem de me colocar crescendo, minha coragem de abandonar relações que me faziam mal crescendo, minha liberdade e minha felicidade crescendo, resolvi ajudar as pessoas a fazer essa mesma travessia, em busca do equilíbrio e do bem-estar. Não só porque é ótimo para as pessoas que elas parem de sofrer, mas porque é ótimo para a sociedade que as pessoas estejam bem, porque só pessoas infelizes e frustradas sentem necessidade de fazer mal pros outros, de oprimir, agredir, de desrespeitar escolhas diferentes. Quando a gente está vivendo a própria verdade, é muito mais fácil respeitar as verdades dos outros – e antes que me acusem de um relativismo extremo que pode ser usado pra defender o nazismo ou algo assim, repito o que uma preta velha me disse uma vez no terreiro: "ninguém faz mal pros outros quando está vivendo a própria verdade."

Por muito tempo eu quis escrever esse texto, por muito tempo eu quis explicar para as pessoas a minha mudança de direção, mas confesso que demorei a criar coragem por receio dos julgamentos desse meio intelectual de esquerda, por medo de me colocarem alguma etiqueta do tipo “alienada”, “hippie louca”, “poliana”, “escapista” e pararem de ouvir o que tenho pra dizer em meus textos. Então descobri que o que essa angústia estava tentando me dizer era que eu tinha que ter coragem de ser quem eu sou, de expressar o que penso, porque é isso que meu sol de casa cinco conjunto com mercúrio me pede (entendedores entenderão). Em outras palavras, a expressão do que eu penso faz parte do que eu sou e fugir disso só me faz mal. Então estou aqui, desnuda, porém corajosa, afirmando minha escolha e minha verdade, contando com o respeito e compreensão de quem me conhece, mas ciente dos julgamentos que virão – e tentando não me importar com eles.

No meio de toda essa crise política, tenho estado mais calada (muito por fazer o exercício de parar de achar que minha opinião sobre as coisas é muito importante), mas trabalhando arduamente pra ajudar as pessoas a encontrarem saúde mental e equilíbrio emocional (duas coisas que muitas vezes a política tira da gente) e para isso eu tenho que estar eu mesma bem e inteira, pois como diria o sábio ditado, despir um santo pra vestir outro não adianta de nada.

Não me entendam mal, não passei a achar a política desimportante, ao contrário, fico felicíssima de ver que tem pessoas fazendo com paixão o que eu fazia antes (tão apaixonadamente quanto), mas agora minha paixão está se manifestando em outro lugar. E que bênção é a diversidade: umas pessoas fazem política e outras ajudam essas pessoas a se recomporem emocional e energeticamente para poder continuar fazendo política (e isso, pra mim, também é fazer política). Se houvesse apenas uma espécie de árvore, não existiriam as florestas.

Termino dizendo que não estou alienada, estou arrumando meu mundo interno para poder ajudar cada vez mais no mundo externo, do jeito que sei, quero e dou conta. É uma sensação ótima, vocês deveriam experimentar.


Comentários

  1. "ninguém faz mal pros outros quando está vivendo a própria verdade."
    A sabedoria dos pretos velhos, o conforto e a sensação de completo que esta traz para as nossas vidas é incalculável! Só a gratidão (eterna) paga.

    Adorei o texto. Me encontrei em absoluto no mesmo.

    Agradeço pela coragem pois até hoje não tinha encontrado quem pensasse, sentisse e vivesse o mesmo que eu, me sentindo um peixe fora de todas as águas pelas quais passeamos pela vida...

    ResponderExcluir
  2. Maravilhosamente explicado, Nat! Me identifiquei muito com este aspecto da sua jornada, pois passei por uma fase bem semelhante ha um tempo atras. E nos meus 63 anos, este tipo de reflexao faz mais sentido, pois ja posso sentir os limites do tempo que tenho a minha frente, e sei que a sociedade (incluindo o machismo) nao vai mesmo mudar da noite pro dia ... Entao a gente transforma a energia gerada pela raiva e indignacao em coisas mais positivas e canaliza esta energia para outras areas da vida. Beijos, querida.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A feminização do desequilíbrio - ou por que homens não fazem terapia?

Começo dizendo que sei que, apesar de não ser um número expressivo, há homens que fazem alguma espécie de terapia, mas meu ponto com esse texto é que a proporção de mulheres que buscam essa ajuda para lidar com suas questões psicológicas e emocionais é absurdamente maior. Vejo com frequência homens em sofrimento muito resistentes a entrar em algum tipo de tratamento terapêutico, como se eles fossem bons demais pra isso, como se não precisassem de ajuda em nada, como se isso fosse coisa de gente doida, ou pior, como se fosse "coisa de mulher". 
Fico pensando que essa idéia culturalmente enraizada da mulher histérica, emocionalmente desequilibrada, em contraste com a do homem forte e independente contribui muito pra essa resistência masculina, mesmo nos meios mais "descolados" e pretensamente desconstruídos. E aí fico pensando o impacto que essa ausência de investimento em auto-conhecimento e auto-transformação por parte dos homens tem na nossa sociedade: como é que …

Vestir-se de “mulher” no carnaval: transgressão ou agressão?

Carnaval é bom pra pular, mas também é bom pra pensar. E a reflexão que faço esse ano, como feminista que sou, tem a ver com o tradicional costume dos homens de se vestir de “mulher” (como se o conceito pudesse ser tratado no singular) nessa época do ano. O que pensam esses homens? O que os motiva? De que “mulher” eles se vestem?

Alguns argumentarão que vestir-se de mulher no Carnaval tem a ver com a inversão generalizada típica da festa. Homens machistas e homofóbicos que normalmente repudiam o feminino por medo de serem considerado homossexuais, nessa época do ano, têm a permissão de se travestir. Mas o que é que se inverte no fim das contas? Os homens não passam a ser as maiores vítimas de assédios e abusos sexuais, nem de violência doméstica, nem têm suas questões invisibilizadas, como acontece diariamente com as mulheres. As mulheres, por sua vez, não ganham o direito de andar com (ou sem) qualquer roupa sem ser incomodadas, nem de tirar a camisa por causa do calor, nem de circul…

Sheik volta atrás, Nanda continua depilada

Depois da polêmica que Nanda Costa causou por posar nua “sem estar depilada”, estando, no entanto, indubitavelmente depilada, mais um banho de machismo, homofobia e conservadorismo: o jogador Emerson Sheik, após o corajoso (infelizmente esse adjetivo ainda faz sentido nesse contexto) selinho no amigo, se “desculpa” por ter “ofendido os corinthianos” e termina com uma piadinha homofóbica, pra que ninguém duvide de sua macheza.
A declaração foi precisamente esta: "Lamento se ofendi a torcida do Corinthians, não foi a minha intenção. Foi só uma brincadeira com um amigo, até porque eu não sou são-paulino" (leia a notícia aqui).

Esses dois casos me chamaram particularmente a atenção por conseguirem expor o nível completamente absurdo (para não dizer surreal) de machismo, homofobia e intolerância da nossa sociedade. No primeiro, temos uma mulher que, mesmo estando depilada, causa polêmica por não estar. Sintoma de uma sociedade que impõe tantos procedimentos estéticos sobre as mu…