Pular para o conteúdo principal

Cientista comprova: a pesquisa do IPEA não está errada

Sobre o suposto erro na pesquisa do IPEA, tenho algumas coisas a dizer, já que, além de mulher, sou cientista social.

Todas, simplesmente TODAS, as pesquisas quantitativas podem ser contestadas (e claro, as qualitativas também), porque as ciências humanas (eu incluiria também as naturais e exatas, mas deixa isso prum outro texto) não são e jamais serão objetivas. A forma como se pergunta sempre irá influir na resposta, assim como QUEM pergunta, QUANDO, ONDE e PARA QUEM se pergunta (a esse respeito, gosto sempre de lembrar a famosa pesquisa realizada em São Paulo em 1988 na qual 97% dos entrevistados afirmaram não ter preconceito racial, ao passo que 98% destes mesmos entrevistados afirmaram conhecer pessoas de seu círculo próximo que tinham, sim, preconceito).

Amostras sempre podem ser enviesadas, "erros" de aplicação de questionário sempre ocorrerão. São humanos lidando com humanos, oras! Como cientista social que sou (e olha que nem entendo muito de sociologia quantitativa), consigo achar "falhas" em qualquer pesquisa quantitativa que me apresentarem. Isso, no entanto, não significa que não seja possível medir determinadas coisas e obter resultados muito próximos da realidade.

Essa realidade, no entanto, jamais, JAMAIS, poderá ser acessada por pesquisa de qualquer natureza. A realidade do resultado da pesquisa do IPEA nós mulheres sentimos é na pele, diariamente, quando deixamos de vestir tal roupa, de passar por tal lugar, de sair tal hora pelo risco de ser estupradas (e ainda por cima de ser culpabilizadas pela agressão). A realidade da pesquisa do IPEA sentimos diariamente nas conversas entre homens no ônibus, nos comentários em portais de notícias, no almoço de domingo, no jornal, na novela, no rádio, nas revistas, nos comerciais, etc, etc, etc.

Pouco importa se são 65, 24 ou qualquer outra porcentagem. Vivemos em uma sociedade no qual é forte o imaginário de que mulheres merecem ser estupradas e eu nunca precisei de pesquisa nenhuma pra saber disso. Me admira, no entanto, a pressa e a mobilização geral pra contestar a pesquisa do IPEA que finalmente chama atenção para esta realidade.

Vocês aí do alto de suas torres de marfim, parem de contestar o resultado da pesquisa do IPEA! Nós mulheres dizemos: ela é real. Numa sociedade onde, por absurdo que isso seja, não basta que mulheres berrem que vivemos numa cultura do estupro, precisamos, infelizmente, desse instrumento de autoridade e legitimação científica para continuar nossa luta.

Por que será que não se investe esse mesmo relativismo científico na hora de desmascarar as “pesquisas” biologicistas que naturalizam as desigualdades de gênero? Se vocês não têm mais nada pra fazer, senhores cientistas, não atrapalhem a nós, que temos uma sociedade inteira pra mudar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A feminização do desequilíbrio - ou por que homens não fazem terapia?

Começo dizendo que sei que, apesar de não ser um número expressivo, há homens que fazem alguma espécie de terapia, mas meu ponto com esse texto é que a proporção de mulheres que buscam essa ajuda para lidar com suas questões psicológicas e emocionais é absurdamente maior. Vejo com frequência homens em sofrimento muito resistentes a entrar em algum tipo de tratamento terapêutico, como se eles fossem bons demais pra isso, como se não precisassem de ajuda em nada, como se isso fosse coisa de gente doida, ou pior, como se fosse "coisa de mulher". 
Fico pensando que essa idéia culturalmente enraizada da mulher histérica, emocionalmente desequilibrada, em contraste com a do homem forte e independente contribui muito pra essa resistência masculina, mesmo nos meios mais "descolados" e pretensamente desconstruídos. E aí fico pensando o impacto que essa ausência de investimento em auto-conhecimento e auto-transformação por parte dos homens tem na nossa sociedade: como é que …

Vestir-se de “mulher” no carnaval: transgressão ou agressão?

Carnaval é bom pra pular, mas também é bom pra pensar. E a reflexão que faço esse ano, como feminista que sou, tem a ver com o tradicional costume dos homens de se vestir de “mulher” (como se o conceito pudesse ser tratado no singular) nessa época do ano. O que pensam esses homens? O que os motiva? De que “mulher” eles se vestem?

Alguns argumentarão que vestir-se de mulher no Carnaval tem a ver com a inversão generalizada típica da festa. Homens machistas e homofóbicos que normalmente repudiam o feminino por medo de serem considerado homossexuais, nessa época do ano, têm a permissão de se travestir. Mas o que é que se inverte no fim das contas? Os homens não passam a ser as maiores vítimas de assédios e abusos sexuais, nem de violência doméstica, nem têm suas questões invisibilizadas, como acontece diariamente com as mulheres. As mulheres, por sua vez, não ganham o direito de andar com (ou sem) qualquer roupa sem ser incomodadas, nem de tirar a camisa por causa do calor, nem de circul…

Sheik volta atrás, Nanda continua depilada

Depois da polêmica que Nanda Costa causou por posar nua “sem estar depilada”, estando, no entanto, indubitavelmente depilada, mais um banho de machismo, homofobia e conservadorismo: o jogador Emerson Sheik, após o corajoso (infelizmente esse adjetivo ainda faz sentido nesse contexto) selinho no amigo, se “desculpa” por ter “ofendido os corinthianos” e termina com uma piadinha homofóbica, pra que ninguém duvide de sua macheza.
A declaração foi precisamente esta: "Lamento se ofendi a torcida do Corinthians, não foi a minha intenção. Foi só uma brincadeira com um amigo, até porque eu não sou são-paulino" (leia a notícia aqui).

Esses dois casos me chamaram particularmente a atenção por conseguirem expor o nível completamente absurdo (para não dizer surreal) de machismo, homofobia e intolerância da nossa sociedade. No primeiro, temos uma mulher que, mesmo estando depilada, causa polêmica por não estar. Sintoma de uma sociedade que impõe tantos procedimentos estéticos sobre as mu…