Pular para o conteúdo principal

Nada mais nada menos que uma chocadeira: sobre Adelir e a desmilitarização


Nathalia Duarte e Joviano Mayer

Há uma frase feminista já bastante difundida que diz que “feminismo é a ideia radical de que mulheres são gente”. “Que exagero!”, dirão alguns, “é claro que mulheres são gente, todo mundo sabe disso”. Bom, aparentemente o Estado brasileiro ainda não tem esse entendimento. Para ele, somos nada mais nada menos do que chocadeiras que parirão os homens (pilares da sociedade) e mulheres (que no futuro irão parir mais homens). A quem acha que essa afirmação é muito radical, respondemos que radical é a violência à qual Adelir Carmen Lemos de Góes foi recentemente submetida, assim como acontece com inúmeras mulheres diariamente no Brasil.

Arte: Bruna Barros rabiscodiario.tumblr.com
O caso de Adelir, no entanto, explicita de forma incontestável a violência obstetrícia (mais uma das 238.587 formas de violência que atingem as mulheres) e evidencia, ainda, o papel ativo do Estado na colocação da mulher no lugar de mera chocadeira a despeito da sua condição de pessoa humana, sujeito de direitos.

Pra quem não acompanhou o caso, explicamos: Adelir já tinha uma filha e um filho, ambos nascidos por cesária, quando ficou grávida pela terceira vez. Como seu sonho era viver a experiência de um parto normal, procurou uma doula (uma profissional que acompanha a gestação da mulher e a auxilia também psicológica e emocionalmente antes e durante o parto, buscando proporcionar o que nós chamamos de parto humanizado - leia mais sobre isso aqui). Sentindo dores abdominais, Adelir se dirigiu ao Hospital Nossa Senhora dos Navegantes, no qual uma médica disse que ela deveria se submeter a uma cesariana imediatamente. Adelir se recusou e, assinando um termo de compromisso, voltou pra casa para esperar o início de seu parto normal. A esse respeito, a doula Stephany Hendz publicou o seguinte depoimento: “Gestante sendo perseguida por se negar a realizar cesárea eletiva. Bebê se movimentando bem, com frequência cardíaca tranquilizadora e mãe com pressão arterial 120x80. Gestação de 41 semanas completas (pelo ultrasson) e posto de saúde ligando (...). A sorte é que o empoderamento não se perde da noite para o dia. Orgulho deste casal que pela terceira vez vai ter que brigar por um parto normal.”

O Hospital, a revelia da decisão de Adelir e do parecer da doula, acionou o Ministério Público, sob o argumento de que a integridade física do bebê estava em risco. O referido órgão, de natureza técnico-jurídica e não médica, sem nenhuma competência para avaliar a situação clínica da paciente e sem sequer ouvi-la, entrou com ação judicial e obteve decisão liminar favorável, concedida por uma juíza que também não examinou ou sequer ouviu as razões de Adelir. Com mandado judicial em mãos, médicos e policias armados retiraram Adelir a força de casa e fizeram a cirurgia cesariana contra a sua vontade. Segue seu depoimento sobre o momento: “Na hora que estava de cinco em cinco minutos as contrações, chegou a polícia, chegou o oficial de justiça com viatura, com ambulância. (...) Eles ficaram me aterrorizando dizendo que se eu não cumprisse o mandado meu marido, naquela hora que eu estava precisando dele, iria ser preso”. A doula sugeriu à equipe médica que encaminhasse Adelir para a cidade de Araranguá, onde há uma equipe de parto humanizado e o parto normal poderia ser tentado, a equipe, no entanto, se recusou. Para completar a sucessão de violências, o companheiro de Adelir foi impedido pelo hospital de ver o nascimento da própria filha - o que viola expressamente a lei federal – durante o qual a médica xingou Adelir de louca, assassina e irresponsável. (Clique aqui e aqui para ver as fontes)

Esse caso horripilante nos mostra o total desrespeito ao qual as mulheres gestantes estão sujeitas e mostra como a/o bebê é considerado muito mais importante do que a mãe, mesmo antes de nascer. Essa é a mesma lógica que está por trás da criminalização do aborto, que leva à morte de muitas mulheres que o fazem por meios inseguros. A justificativa da “integridade física do feto”, no entanto, além de perversa, no caso de Adelir é falaciosa. É óbvio que ela, seu companheiro e a doula que acompanhava a gestação estavam preocupados com a saúde dx meninx. À Adelir, no entanto, não foi dada a opção de parto normal da primeira vez que foi ao hospital, nem o direito de se dirigir a um hospital com parto humanizado quando a equipe médica acompanhada da polícia invadiu sua casa. Segundo a doula, a afirmação de que a cesária deveria ser feita porque o feto estava sentado é improcedente. Essa posição de fato dificulta o parto, tanto normal, quanto cesária (sendo este último um pouco menos complicado), não o inviabiliza, no entanto. A cirurgia cesariana, na maior parte das vezes, vem atender à necessidade e conveniência dos médicos, que preferem a comodidade de ter hora marcada pra realizar o parto e também recebem mais pela realização do procedimento cirúrgico. Em um caso como o de Adelir, o que deve ser feito é escolha única e exclusivamente da mulher. Ou deveria ser, se o Estado considerasse as mulheres como sujeitos de direitos e não meras chocadeiras. Mas o hospital, o Ministério Público, o Judiciário e a Polícia têm mais direito sobre o corpo e a vida de uma mulher do que ela mesma. E ainda há quem nos desafie a provar que o Estado é patriarcal.

O Estado é sim patriarcal, masculino, machista e uma das evidências disso é sua militarização. A mesma lógica militar que obriga, com homens fardados e armados, mulheres a se submeterem a uma cesária, arrasta Cláudias em viaturas de polícia. A mesma lógica militar que faz com que homens arrastem Cláudias, constrange, desrespeita e humilha mulheres que ousam denunciar violência doméstica e sexual nas delegacias. Um Estado militarizado é um Estado patriarcal, e em um Estado patriarcal, mulheres não são sujeitos, podem ser caladas, invizibilizadas, estupradas e agredidas. E é por isso que a pauta da desmilitarização tem que ser essencialmente feminista e que o feminismo deve lutar pela desmilitarização. Afinal de contas, o revólver na mão do policial nada mais é que a reificação do falo com todos os atributos de poder que ele oferece na nossa sociedade machista. E é por isso que vamos continuar gritando, por mais absurdo que isso seja, que mulheres também são gente. 

Comentários

  1. esse caso é horripilante.
    ótimo texto, nat.

    tenho te lido sempre.
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Nathalia e Joviano: obrigada em nome das mulheres que já sofretam bullying médico.
    Myriam

    ResponderExcluir
  3. O texto é ótimo, mas gostaria de fazer um "reparo". A doula não é parteira e essa é uma das discussões imensas, pois os médicos dizem isso (que doula quer saber mais que médico e "fazer" o parto). A doula é uma profissional que entende do processo fisiológico do parto normal e que auxilia física e emocionalmente a mulher no processo de pré-parto, parto e pós-parto, porém ela não é parteira!!! Algumas parteiras atuaram inicialmente como doulas e partiram para a formação técnica. Outras parteiras, eventualmente atuam como doulas para amigas e coisas assim, mas a "profissão" doula só se confunde com a profissão parteira por serem ambas profissões de respeito a mulher no processo...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A feminização do desequilíbrio - ou por que homens não fazem terapia?

Começo dizendo que sei que, apesar de não ser um número expressivo, há homens que fazem alguma espécie de terapia, mas meu ponto com esse texto é que a proporção de mulheres que buscam essa ajuda para lidar com suas questões psicológicas e emocionais é absurdamente maior. Vejo com frequência homens em sofrimento muito resistentes a entrar em algum tipo de tratamento terapêutico, como se eles fossem bons demais pra isso, como se não precisassem de ajuda em nada, como se isso fosse coisa de gente doida, ou pior, como se fosse "coisa de mulher". 
Fico pensando que essa idéia culturalmente enraizada da mulher histérica, emocionalmente desequilibrada, em contraste com a do homem forte e independente contribui muito pra essa resistência masculina, mesmo nos meios mais "descolados" e pretensamente desconstruídos. E aí fico pensando o impacto que essa ausência de investimento em auto-conhecimento e auto-transformação por parte dos homens tem na nossa sociedade: como é que …

Vestir-se de “mulher” no carnaval: transgressão ou agressão?

Carnaval é bom pra pular, mas também é bom pra pensar. E a reflexão que faço esse ano, como feminista que sou, tem a ver com o tradicional costume dos homens de se vestir de “mulher” (como se o conceito pudesse ser tratado no singular) nessa época do ano. O que pensam esses homens? O que os motiva? De que “mulher” eles se vestem?

Alguns argumentarão que vestir-se de mulher no Carnaval tem a ver com a inversão generalizada típica da festa. Homens machistas e homofóbicos que normalmente repudiam o feminino por medo de serem considerado homossexuais, nessa época do ano, têm a permissão de se travestir. Mas o que é que se inverte no fim das contas? Os homens não passam a ser as maiores vítimas de assédios e abusos sexuais, nem de violência doméstica, nem têm suas questões invisibilizadas, como acontece diariamente com as mulheres. As mulheres, por sua vez, não ganham o direito de andar com (ou sem) qualquer roupa sem ser incomodadas, nem de tirar a camisa por causa do calor, nem de circul…

Sheik volta atrás, Nanda continua depilada

Depois da polêmica que Nanda Costa causou por posar nua “sem estar depilada”, estando, no entanto, indubitavelmente depilada, mais um banho de machismo, homofobia e conservadorismo: o jogador Emerson Sheik, após o corajoso (infelizmente esse adjetivo ainda faz sentido nesse contexto) selinho no amigo, se “desculpa” por ter “ofendido os corinthianos” e termina com uma piadinha homofóbica, pra que ninguém duvide de sua macheza.
A declaração foi precisamente esta: "Lamento se ofendi a torcida do Corinthians, não foi a minha intenção. Foi só uma brincadeira com um amigo, até porque eu não sou são-paulino" (leia a notícia aqui).

Esses dois casos me chamaram particularmente a atenção por conseguirem expor o nível completamente absurdo (para não dizer surreal) de machismo, homofobia e intolerância da nossa sociedade. No primeiro, temos uma mulher que, mesmo estando depilada, causa polêmica por não estar. Sintoma de uma sociedade que impõe tantos procedimentos estéticos sobre as mu…