Pular para o conteúdo principal

O que o resultado das eleições têm a ver com as manifestações de Junho?


Após o resultado das eleições 2014, vi várias pessoas e analistas dizendo que nada mudou no cenário eleitoral depois das manifestações de junho de 2013, ou que o congresso ficou ainda mais conservador.
Afinal de contas, o que as manifestações de Junho têm a ver com  o resultado das eleições? Minha resposta é relativamente simples: nada.


Se não podemos definir sobre o que exatamente eram as manifestações, dada a imensa diversidade de pautas, podemos ressaltar facilmente que o repúdio a bandeiras e partidos de qualquer posicionamento ideológico veio com força total (por vezes de forma inclusive violenta). As jornadas de junho vieram pra mostrar o tamanho da descrença da juventude no atual sistema democrático representativo e, se estamos falando justamente de uma profunda crise de representação, é claro que não é nas urnas que a voz das ruas vai se expressar. Essa eleição foi como dar uma questão fechada a jovens que só querem questões abertas, ou melhor, querem mesmo é elaborar a prova. Sem contar que grande parte das(os) manifestantes tinham entre 15 e 18 anos, ou seja, a maior parte deles sequer tem título de eleitor e isto é também um dado relevante.

Talvez o único dado relativo às eleições que expresse os gritos de junho seja o grande número de votos nulos, brancos e não comparecimentos (digo talvez porque as razões das abstenções podem ser múltiplas e de difícil identificação). O fato é que mais de 27 milhões de pessoas votaram nulo, branco, ou não votaram, havendo um aumento de 7% com relação às eleições passadas. A porcentagem de pessoas que não votaram em ninguém chega a 29%: mais do que a votação da Marina, quase a votação do Aécio. Mas por algum motivo sobre isso não vemos nenhuma análise nas grandes emissoras.

O resultado das eleições reforça o conservadorismo desse processo e a pouca possibilidade de mudança através do mesmo:  na câmara federal, apenas 15,2% dos eleitos são homens pardos e apenas 3,5% se declaram pretos. A situação das mulheres é ainda pior, umas vez que mulheres brancas ocupam 8% das cadeiras, mulheres pardas, 1,6%, e as que se declaram pretas somam míseros 0,6%! 
Gráfico feito por Luiz Agusto Campos com dados do TSE

Por essas e outras que, apesar de ser jovem, de ter participado das manifestações e de sentir enorme descrença no processo eleitoral, não anulei nenhum voto, com a orientação de votar em mulheres, de preferência negras, por achar urgente ocuparmos o lugar da política oficial com vozes minoritárias. Mas conheço e entendo muita gente que se recusou a votar, por não acreditar nessa dita democracia, que em um país onde mais da metade da população écomposta por mulheres e pessoas negras, tem 70% de homens brancos ditando a política.

Em resumo, se analistas querem tanto saber quais foram os desdobramentos das manifestações, devem olhar nos escritos nos muros, nos movimentos espontâneos e horizontais que pipocam nas grandes cidades, nas discussões travadas nas redes sociais, mas por favor, não olhem para a contagem de votos. Definitivamente não é através deles que a gente está falando.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A feminização do desequilíbrio - ou por que homens não fazem terapia?

Começo dizendo que sei que, apesar de não ser um número expressivo, há homens que fazem alguma espécie de terapia, mas meu ponto com esse texto é que a proporção de mulheres que buscam essa ajuda para lidar com suas questões psicológicas e emocionais é absurdamente maior. Vejo com frequência homens em sofrimento muito resistentes a entrar em algum tipo de tratamento terapêutico, como se eles fossem bons demais pra isso, como se não precisassem de ajuda em nada, como se isso fosse coisa de gente doida, ou pior, como se fosse "coisa de mulher". 
Fico pensando que essa idéia culturalmente enraizada da mulher histérica, emocionalmente desequilibrada, em contraste com a do homem forte e independente contribui muito pra essa resistência masculina, mesmo nos meios mais "descolados" e pretensamente desconstruídos. E aí fico pensando o impacto que essa ausência de investimento em auto-conhecimento e auto-transformação por parte dos homens tem na nossa sociedade: como é que …

Vestir-se de “mulher” no carnaval: transgressão ou agressão?

Carnaval é bom pra pular, mas também é bom pra pensar. E a reflexão que faço esse ano, como feminista que sou, tem a ver com o tradicional costume dos homens de se vestir de “mulher” (como se o conceito pudesse ser tratado no singular) nessa época do ano. O que pensam esses homens? O que os motiva? De que “mulher” eles se vestem?

Alguns argumentarão que vestir-se de mulher no Carnaval tem a ver com a inversão generalizada típica da festa. Homens machistas e homofóbicos que normalmente repudiam o feminino por medo de serem considerado homossexuais, nessa época do ano, têm a permissão de se travestir. Mas o que é que se inverte no fim das contas? Os homens não passam a ser as maiores vítimas de assédios e abusos sexuais, nem de violência doméstica, nem têm suas questões invisibilizadas, como acontece diariamente com as mulheres. As mulheres, por sua vez, não ganham o direito de andar com (ou sem) qualquer roupa sem ser incomodadas, nem de tirar a camisa por causa do calor, nem de circul…

Sheik volta atrás, Nanda continua depilada

Depois da polêmica que Nanda Costa causou por posar nua “sem estar depilada”, estando, no entanto, indubitavelmente depilada, mais um banho de machismo, homofobia e conservadorismo: o jogador Emerson Sheik, após o corajoso (infelizmente esse adjetivo ainda faz sentido nesse contexto) selinho no amigo, se “desculpa” por ter “ofendido os corinthianos” e termina com uma piadinha homofóbica, pra que ninguém duvide de sua macheza.
A declaração foi precisamente esta: "Lamento se ofendi a torcida do Corinthians, não foi a minha intenção. Foi só uma brincadeira com um amigo, até porque eu não sou são-paulino" (leia a notícia aqui).

Esses dois casos me chamaram particularmente a atenção por conseguirem expor o nível completamente absurdo (para não dizer surreal) de machismo, homofobia e intolerância da nossa sociedade. No primeiro, temos uma mulher que, mesmo estando depilada, causa polêmica por não estar. Sintoma de uma sociedade que impõe tantos procedimentos estéticos sobre as mu…